Minha experiência na cidade de Piedade.

Em uma conversa de bar regada a cerveja com um velho amigo, procuravamos um destino para aproveitar o final de semana que estava por vir, como não tinhamos dinheiro naquela época (e ainda não temos), precisavamos que o destino tivesse um custo muito baixo, algo próximo do nada.

Estavamos cansados de praia, só de pensar nos incriveis R$ 40,00 de pedagio e nos preços das hospedagens, perdiamos a vontade de fazer qualquer coisa.

Começamos nossa busca por hospedagem barata, e logo lembramos de um amigo que tem um sitio em construção em Piedade, tudo muito simples, apenas um teto e quatros paredes no tijolo vermelho, sem agua, sem banheiro, literalmente “EM CONSTRUÇÂO”. Para quem não quer gastar, sem problemas HOSPEDAGEM NA FAIXA GARANTIDA!

Precisavamos resolver o problema do combustivel, pois Piedade fica a 250 km de São Paulo. Chamei mais dois amigos e rachamos os gastos do carro.

Pronto, tudo estava caminhando para o sucesso, agora só faltava definir um roteiro. Começamos nossa pesquisas na internet e fechamos o seguinte:

– Sabado
– Gruta de Ibiuna
– luau e observação noturna

– Domingo
– Cachoeira do Bernardo Alemão
– volta pra casa

Com tudo organizado, saimos para nosso primeiro destino, Gruta de Ibiuna.

Chegamo em ibiuna por volta das 12:00, saimos procurando loucamente a tal da gruta, perguntavamos para padeiro, comerciante, taxista, posto de gasolina e nada. Até que encontramos um morador que sabia onde ficava, ele nos orientou e fomos até a gruta.

Depois de alguns kilometros percorridos, chegados a uma igrejinha que segundo o morador, seria a entrada para a gruta.

Medo, era a unica palavra que me descrevia naquele momento, um local aparentemente abandonado, apenas um caseiro que tinha problemas em se expressar, entramos na igreja para procurar alguém e o que viamos era triste, parecia um local totalmente esquecido… deixo que vocês tirem as suas próprias conclusões…

( FOTOS DA IGREJA )

Perguntei para o caseiro se na gruta havia agua para banho e ele me disse que sim, descemos com roupas de molhas e toalhas para uma trilha que chegava até a gruta. Encontramos varias oferendas e imagens de santos no caminho e até um local que parecia um cemitério com cruzes enterradas. Passamos por lindas formações rochosas que contrastavam com as pixações. Até que chegamos na gruta e para nossa surpresa não tinha queda d’agua. apenas um riacho pequeno que cortava as pedras da gruta.

Andamos um pouco por dentro da gruta e voltamospara o carro para seguir com a nossa viagem. Pois a primeira parte teria sido uma grande decepção.

PIEDADE

Chegamos em Piedade por volta das 17 horas e fomos para um posto de gasolina perguntar como chegar a alguma cachoeira, o frentista nos disse que as cachoeiras eram particulares e o dono fechava as 18:00. Mas que valeria muito a pena ir, pois a cachoeira é enorme.

Seguimos então para o sitio que fariamos nosso luau, pegamos lenha para a fogueira, confeccionamos alguns bancos e mesas improvisados e começamos nossa segunda parte do dia.

Este ponto foi bem agradavél, na viola o bom rock nacional de 80 ao redor de fogueiras e lagos e abaixo de um céu que posso dizer que tenho sorte de estar lá, lua cheia rodeado de pingos brancos que constantemente cortavam o céu.

Ficamos por lá ate cerca de 00:00 e fomos dormir na “””casa””””, ficamos batendo papo e jogando baralho mais um pouco até que caimos no sono.

DOMINGO – Cachoeira do ALEMÃO

Acordamos bem cedinho para tomar um café e seguir até a cachoeira que nos aguardava a 30 km do centro. Tomamos café proximo a igreja da cidade e fomos em direção a cachoeira do Alemão.

Chegamos lá por volta das 11:00, pagamos R$ 20,00 por pessoa e fomos direto para a cachoeira. Na minhã opinião este era o ponto Chave da viagem, aquilo que se via, compensava todo o esforço, uma cachoeira com queda de 30 metros e toda a natureza ao seu redor, macacos correndo de um lado para o outro e barulho de passaros que cantavam a nossa volta.

Não demorei muito até me jogar dentro da cachoeira, água extremamente GELADAAAAAAAA, acho que a caixa de gelo da cerveja estava mais quente que aquilo alí. De qualquer forma entrei e nadei até a queda para sentir a pancada d’agua em minhas costas.

Saindo do local perdi minha carteira, encontraram somente quando já estava em SP… Apesar de todos os problemas e perrengues Piedade é uma cidade bem legal para se conhecer.

E vocês? Já visitaram a cidade ou já conheceram um lugar tão medonho quanto a gruta? Deixe seu comentário e vamos compartilhar nossos sofrimentos de viajantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *